Divinas Divas



Brilho e Ocaso
Com Divinas Divas (Brasil, 2016) Leandra Leal faz sua estreia na cadeira de direção, trabalho esse no qual opta por transitar, de maneira inteligente, por uma zona de segurança, na medida em que aborda um assunto que lhe é deveras familiar: a realização de espetáculos estrelados por travestis no palco do Teatro Rival, espaço artístico aberto por seu avô ainda em 1934 e já há alguns anos administrado pela atriz e agora cineasta.
Esse ‘conhecimento de causa’, cabe salientar, não torna a tarefa narrativa de Leal mais simples, pois, em tendo o filme oito personagens principais, surge a necessidade de tratar com igualdade as histórias de cada figura retratada, tarefa essa cumprida com louvor pelo documentário que, desta feita, não incorre no erro de privilegiar uma pessoa – o que poderia facilmente ocorrer em torno de Rogéria – em detrimento de outra(s).
Divinas Divas realiza uma carinhosa análise sobre a trajetória da primeira geração de artistas travestis do país, no que se inclui uma breve menção ao período da ditadura militar, época sui generis em que, apesar de toda repressão e limitação de direitos fundamentais, conforme avalia Vitor Búrigo, “travestis eram reconhecidas e respeitadas como artistas, dividiam os holofotes com personalidades e eram capas de revistas”¹ denotando, assim, como, apesar dos pesares, “um dia já fomos mais alegres e menos intolerantes”².
Com efeito, a produção não se limita a olhar para trás e se volta também para o presente, ocasião em que trata com extrema delicadeza a questão do envelhecimento e ocaso de artistas para quem as luzes já não brilham como antes. Destarte, Leandra Leal cria uma obra poética, sensível e respeitosa, digna dos aplausos recebidos e que deixa desperto o interesse e a ansiedade pelas próximas empreitadas da mesma na direção de longas-metragens, afinal, não é todo dia que se testemunha estreias tão bem-sucedidas como essa.
___________________________
1.     Revista Preview. Ano 8. ed. 93. São Paulo: Sampa, Junho de 2017.  p. 10.

FICHA TÉCNICA

Direção: Leandra Leal
Roteiro: Carol Benjamin, Leandra Leal, Lucas Paraizo, Natara Ney
Produção: Carol Benjamin, Leandra Leal, Natara Ney, Rita Toledo
Fotografia: David Pacheco
Montagem: Natara Ney
Duração: 110 min.
Estreia: 22/06/2017 (Brasil)
Distribuidora: Vitrine Filmes

Comentários

POSTS RECENTES MAIS LIDOS