EDITORIAL

Após muito pensar sobre a descrição do blog, topei com o seguinte texto de Leon Cakoff, in Os Filmes da Minha Vida, São Paulo: Imprensa Oficial, 2010: “qualquer imagem de qualquer época, mesmo que seja manipulada, pode ter seu valor enquanto documento. (...) Todas as imagens tem uma função. (...) A Elite pensante, em qualquer geração ou situação, corre um perigo muito grande. O de torcer o nariz para o que seja popular. (...) o ruim, na pior das hipóteses, nos ajuda a discernir o que é melhor”.

Assim, o cinema de qualquer período, lugar e/ou artista poderá aqui ser analisado, sem que a distinção entre filme de arte e diversão escapista interfira no processo, afinal, tanto o rigor quanto o formalismo em demasia podem impedir a descoberta de pequenos grandes prazeres muitas vezes encontrados nas pedras menos lapidadas. Ou, como diria um conhecido nosso, numa síntese descaradamente pop: “why so serious?”.




domingo, 26 de março de 2017

Kong – A Ilha da Caveira



Pastiche

Kong – A Ilha da Caveira (EUA, 2017) se vale de uma estratégia comum ao cinema-catástrofe dos anos 1970: a utilização de atores consagrados no elenco como forma de agregar credibilidade ao produto. Dito isso, é uma pena que, não obstante toda a quantidade de dinheiro disponível para a contratação de tais artistas, a produção fracasse ao não conseguir extrair o potencial dos mesmos, o que é resultado da condução do diretor Jordan Vogt-Roberts, visivelmente preocupado em se debruçar sobre o elemento neófito responsável por diferenciar esta versão de King Kong das anteriores, qual seja a fusão do tradicional enredo sobre o Rei dos Macacos com filmes de guerra passados no Vietnã - com destaque especial para o setentista Apocalipse Now (EUA, 1979).

Assim, Vogt-Roberts se concentra em criar um pastiche de fotografia saturada e CGI exagerado, deixando relegado a um segundo plano o desenvolvimento dos personagens que, embora no primeiro ato sejam até devidamente apresentados, não tardam a ser subaproveitados, circunstância que atinge até mesmo o próprio Kong que deixa de ser protagonista de seu filme para ser tão coadjuvante quanto todos os outros personagens que, desta feita, transitam aleatoriamente em torno de uma trama que no fundo quer apenas mostrar explosões e situações extremas geradas por seus efeitos visuais de ponta, além, vale lembrar, de preparar terreno para o duelo que em breve o símio terá com Godzilla¹.
Neste diapasão, por alguns instantes chega a ser curioso o modo debochado com que a figura de Samuel L. Jackson é reverenciada por Vogt-Roberts na medida em que aquele é o único ser humano capaz de amedrontar (com um olhar) o gorilão; porém, a manutenção da piada logo acaba por fazer de seu militar enfezado uma mera caricatura tal como ocorre com os demais que volta e meia restam sacrificados por diálogos infames e previsíveis, aspecto esse em que também merece registro a irrelevante participação da oscarizada Brie Larson. Já Tom Hiddleston, que já havia chamado positivamente a atenção nos tediosos títulos da franquia Thor, dessa vez, sem superpoderes nem figurino esdrúxulo, mostra que de fato tem talento para ser um perfeito protagonista de ação; para tanto, falta-lhe apenas uma obra focada na narrativa e o trabalho de direção de alguém capaz de seu valer por completo dos recursos disponibilizados pelo ator, características que, como visto, Kong nem almeja ter.
______________
1.     Conforme escreve Daniel Reininger: “fica clara a relação com o filme de Godzilla, afinal a agência Monarch, mesma do filme de 2014, está por trás da exploração da ilha, sem revelar a ninguém seus reais objetivos: encontrar organismos gigantescos que são ameaças para a humanidade. [...] a necessidade de justificar uma possível luta contra Godzilla num filme futuro faz a trama tomar atalhos e decisões sem muito sentido, que comprometem a qualidade”. Disponível em: https://www.cineclick.com.br/criticas/kong-a-ilha-caveira. Acesso em 26.03.17.

Ficha Técnica

Título Original: Kong: Skull Island
Direção: Jordan Vogt-Roberts
Roteiro: Dan Gilroy, Derek Connolly, John Gatins, Max Borenstein
Fotografia: Larry Fong
Produção: Jon Jashni, Mary Parent, Thomas Tull
Elenco: Tom Hiddleston, Brie Larson, Samuel L. Jackson, Corey Hawkins, Emmy Agustin, Eugene Cordero, Jason Mitchell, Jason Speer, John C. Reilly, John Goodman, John Ortiz, Marc Evan Jackson, Nicole Hunt,  Scott M. Schewe, Sharon M. Bell, Shea Whigham, Thomas Mann, Tian Jing,, Toby Kebbell, Will Brittain, Andre Pelzer
Montagem: Christian Wagner, Richard Pearson
Estreia no Brasil: 09/03/2017
Duração: 118 min.

Nenhum comentário:

Postar um comentário